• Gutemberg Correia

Ser professor!


Nada é mais nobre e encantador do que a missão de ser professor. Ser professor é fazer com que cada aprendiz encontre a sua luz e a sua sina. É ter amor para conduzir, para acompanhar e para construir no outro um mundo melhor. É instigar nos outros a fome e sede por mais conhecimento. Afinal, ensinar é fazer aprender.

Ser professor não é profissão e sim um chamado, uma missão. Uma espécie de porta máster para uma profissão. Uma conexão entre o educando e o processo final da cognição.

As minhas palmas não são para os jogadores, e sim para os professores. São eles que fazem da sala de aula um palco para uma real e intensa revolução. Os agentes modificadores da história e principais responsáveis pela formação de profissionais.

São os heróis do gueto, os atravessadores do “mar vermelho” que é o mundo em meio ao caos. Até porque, todos os que hoje são alguma coisa, passaram por teachers e mais teachers.

Por isso, sempre digo: Precisamos mais de professores do que de carnaval e festa junina.

Ser professor é ser importante. Professores que amam o que fazem, são tão importantes quanto a fauna e a flora. É por conta deles que ainda acredito na “ordem e no progresso” e ainda estou aqui. O mundo está ruim porque os professores são tratados como estepe de fusca velho.

Ser professor é ser um revolucionário. E como nós bem sabemos, a revolução só surge através do núcleo da informação. E a informação é a viga-mestra para a construção de uma sociedade mais justa. Está para existir coisa mais nobre e essencial quanto o saber.

Ser professor é ser um reformador. O contexto social sofrerá grandes reformas, quando ouvirmos mais os professores do que os homens da indústria do entretenimento. Os que ensinam, ao mesmo tempo, assinam a carta de alforria à alienação e atitude laicista.

Ser professor é identificar e vencer os desafios contemporâneos como a baixa remuneração, as péssimas condições de trabalho, a relação professor-aluno, aprender a aprender, aprender a ensinar e espalhar os saberes docentes com muito amor e carinho, sabendo do papel fundamental de criar e recriar identidades e valores.

Ser professor é alcançar os objetivos educativos de uma forma leve, gostosa e inspiradora. É não somente atender as expectativas, mas superá-las. É colher sorrisos, abraços, elogios e é claro que também críticas e incompreensões. Sabendo que os seus atos são para o desenvolvimento psicossocial daqueles que lhe cercam.

Por fim, ser professor é ser um influenciador e ser bem mais que um educador... É ser exemplo de vida. É ser caminho, referência e mentor. É induzir a capacidade de pensar, questionar e duvidar. É não somente repassar informações, e sim gerar uma perspectiva autônoma. Ser professor é ensinar sempre, e cada vez mais.

LEIA MAIS

- TSE: desemperre o Brasil e livre-se do Temer por Paulo Buchsbaum

- Liberdade por Bruno Rosi

- O financiamento de campanhas na base do caos político por Daniel Daipert

- Gestão (?) pública por Paulo Gustavo Ganime

- A relação do policial militar com a sociedade brasileira por Jan Creveld

Gutemberg Correia

Formado em Teologia, letrista, poeta, escritor, cinéfilo, musicalmente chato, chocólatra assumido e viciado em livros e séries.

Autor de dois livros ("Mensagens de Deus Via Celular"- Agosto de 2015 & "1 Mês de Poemas" - Abril de 2017), pela Editora Multifoco.

Uma frase o define:

Pernambucano bem-humorado que faz da vida uma arte.

#gutembergcorreia #correia #PROFESSOR #ensinar #professor

24 visualizações

Copyright © 1Olhar 2017- 2020

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon