• Alessandra Ayres

9 passos para mudar seus hábitos alimentares


Uma alimentação atrelada a sacrifícios é impossível ser mantida a longo prazo. Ninguém pode ser saudável e feliz bebendo água e comendo só alface para sempre. Para uma vida equilibrada, deve-se considerar não somente os fatores biológicos envolvidos na nutrição, mas também os emocionais e sociais. A mudança de hábitos ocorre gradativamente. Mudar é um processo, pequenas mudanças diariamente levarão a um grande resultado.

Não basta saber o que e quanto comer, o significado do alimento em sua vida, determinará o sucesso da caminhada. O conhecimento transforma a comida em carboidratos, proteínas, vitaminas, minerais, calorias, nutraceuticos, dietas da moda, receitas com ingredientes caros e exóticos... Comer, transcende a ingestão de alimentos cuidadosamente selecionados e calculados em um plano alimentar por um nutricionista. Comemos simbolicamente o nervosismo, frustrações, raiva. Comemos e bebemos por prazer, para comemorar. Engolimos sapos, ficamos entalados, comemos com os olhos. Enfim, para reeducar o comportamento alimentar é necessário considerar a constelação de significados ligados ao ato de comer.

Segundo Josué de Castro, o apetite do homem civilizado é mais de ordem psíquica e visa mais a satisfação de comer do que suas necessidades de nutrição.

Eis aqui alguns passos para modificar o comportamento alimentar:

  • Motivação – que motivos você tem para mudar seus hábitos?

Está fora do peso? Problemas de saúde? Sente-se cansado? As pessoas costumam

criticar a forma como você se alimenta ou te incomodam a respeito do seu peso?

  • Pare de dar desculpas:

“Segunda-feira começo a dieta”

“Só um pedacinho”

“Quase não como, ansiedade engorda? ”

“Foi o período de festas que me fez comer demais”

“Não tenho tempo para cozinhar”

  • Comece com pequenas mudanças

Beba 2 litros de água por dia, mastigue bem os alimentos, coma devagar, deixe seu

prato colorido, faça de 4 a 6 refeições por dia, não armazene guloseimas em casa

  • Diferencie fome física de fome psicológica.

Fome física é quando seu estômago está vazio de verdade. Fome psicológica é quando você come, mesmo tendo se alimentado há pouco tempo, você não percebe o ponto de saciedade. Quando isto acontecer, beba água, respire fundo, converse com alguém, organize seu armário de roupas, exercite-se, faça alguma atividade prazerosa para distrair sua mente.

  • Observe-se

Você tem horário para se alimentar? Come mais quando está sozinho ou acompanhado? Tem compulsão por algum tipo de alimento? Come à mesa ? Come em frente à TV?

  • Faça um planejamento

Elabore um cardápio e compre os alimentos com antecedência. Separe um horário no dia para preparar suas refeições. Faça uma pesquisa de mercados que fazem promoções semanais, organize-se para fazer as refeições na mesa.

  • Organize sua cozinha

Livre-se das tralhas que você não utiliza no preparo, coloque os utensílios em local de fácil acesso para facilitar o preparo das suas refeições. Quanto mais coisas você tiver, mais tempo gastará para lavar, secar e guardar. Lembre-se: menos é mais!

  • Experimente novas receitas

Ninguém merece comer legumes cozidos e frango grelhado todo dia. A monotonia alimentar fará você desistir. Não caia nesta armadilha

  • Comprometa-se!

O compromisso fará você perseverar até chegar aonde quer. Não espere a segunda-feira, ou o Ano Novo chegar para mudar seus hábitos, transformar sua vida. Comece já! E a cada etapa vencida, parabenize-se. Um dia de cada vez, um passo de cada vez, continue, não desanime se no meio do caminho tiver uma pedra.

Alessandra Ayres

Nutricionista especialista em obesidade e emagrecimento Personal Organizer Coordenadora do programa Mudança de Hábitos alenutr@gmail.com

#nutricao #nutricionista #habitosalimentares #alessandraayres #alessandra

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato