• Susana Savedra

A Beleza que está em tudo


Série Existencial

Toda "vontade de potência" (Nietzche) aspira à beleza. E também a paz e as diversas manifestações do que se pode considerar belo, já que tal conceito nada mais é que uma visão e sensação particular, assim como o mais forte desejo que cada um sente dentro de si. Assim sendo, a beleza exterior não vive sem a interior!

Aquele que não possui ganas (e aqui não me refiro a ganância e sim a força que nos move e nos dá ímpeto nesta vida) será facilmente tentado pela visão da beleza alheia, a qual não nos identificamos, mas nos impuseram e condicionaram. Por isso nos frustramos quando não atingimos um patamar específico de beleza, porque na verdade nunca iremos atingi-lo, pois não faz parte do nosso impulso natural. E nesse mundo de aparências que contradiz a essência, os desejos plantados pelo que vem de fora nos levam as tristezas e aos desencantos.

A verdadeira beleza exteriorizada que se manifesta vem do interior. Pode estar no aroma de uma rosa, na afeição de um para com o outro, assim como nas incontáveis alegrias. O que vem do interior geralmente está conectado com a nossa consciência que nos encaminha até as realizações, e essas aspirações que vem da alma não nos limita nunca, transformando qualquer desafio em parte do caminho, seja ele qual for. E cada caminho percorrido até a linha de chegada faz parte do belo, mais além do conceito científico do que seria o belo baseado na proporção de beleza.

É por este motivo que volto a afirmar: A beleza exterior não existe sem a interior, seria como uma flor sem o perfume das suas pétalas, um poema sem poesia, um diploma sem conhecimento, o conhecimento sem sabedoria, ou a ingenuidade sem pureza, o que seriam somente ilusões, uma beleza genérica e não real.

Noções

Entre mim e mim, há vastidões bastantes para a navegação dos meus desejos afligidos. Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos. Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento que a atinge. Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza, só recolho o gosto infinito das respostas que não se encontram. Virei-me sobre a minha própria experiência, e contemplei-a. Minha virtude era esta errância por mares contraditórios, e este abandono para além da felicidade e da beleza. Ó meu Deus, isto é minha alma: qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero e precário, como o vento largo do oceano sobre a areia passiva e inúmera…

Cecília Meireles

Outros artigos:

- Tolerância, reflexão e questionamento em tempos politicamente corretos por Yedda Macdonald

- Nós mulheres: as grandes Deusas por Sol Medeiros

- O radicalismo num mundo binário por Paulo Gustavo Ganime

- O Brasil precisa de um arrastão moral por Suely Rosset

- Análise do livro "O Amante Japonês" de Isabel Allende recomendado por Maria Claudia

Susana Savedra

É poeta, arte educadora, atriz, modelo vivo e estudante de letras. Integra duas coletâneas, "Lar" e "Baseado na estrada", autora do livro bilíngue "Desnuda".. Para conhecer melhor seu trabalho acesse sua página no Facebook e seus blogs:

Facebook: CurtaPoesiaVidaLonga

www.joaninhasusana.zip.netsérie "Existencial

www.cafeconpochoclos.blogspot.com.br

#susana #savedra #poesia #susy #pessoa #beleza

53 visualizações

Copyright © 1Olhar 2017- 2020

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon