Natal e Ano Novo com cerveja!

23.12.2016

Amigos, na última semana em um reencontro bem legal com meus amigos e colaboradores deste site, PG (Paulo Gustavo) e Douglas no Serpentina Bar Artesanal, fui instigado a escrever uma nova coluna sobre cervejas que harmonizam para as festividades de fim de ano, em um contraponto às bebidas mainstream destas festas.

 

Tradição é algo importante e eu respeito bastante, mas convenhamos, às vezes uma inovação não faz mal, não é? Na ceia de natal o tradicional vinho tinto é soberano, rei das mesas dos brasileiros. Temos versões para todos os bolsos e todos bebem um vinho junto com a ceia de natal. No ano novo, o tradicional espumante é outra bebida soberana, com a sidra sendo uma “alternativa” mais em conta.

 

Mas temos um país em que existe uma certa resistência a essas tradições no que se refere à bebida servida no natal. É a Bélgica. Na Bélgica existem diversas cervejas com edições especiais para o natal. Exemplos são a Delirium Noel, St Bernardus Christmas Ale, Gouden Carolus Christmas, Fantôme de Noel, Affligen Noel, dentre outras. São cervejas de alto teor alcoólico, com aromas e sabores que remetem a frutas secas, nozes, leve defumado, frutas vermelhas e mais adocicadas (caramelo, chocolate).

 

As cervejas natalinas belga são feitas especialmente para o natal, tendo produção limitada e sazonalidade de apenas uma vez ao ano, em sua maioria.

 

As cervejas natalinas se espalharam pelo mundo, com versões até no Brasil, com a Eisenbahn Weihnachts Ale, Bruder Red Lager Christmas e Baden Baden Christmas Beer. Com exceção desta última, feita com trigo, mais clara e de teor alcoólico menor, as demais seguem a linha belga de cervejas natalinas.

 

Embora sejam cervejas deliciosas, as versões natalinas, em minha opinião, caem no mesmo erro de se ter vinho tinto na mesa: é uma tradição europeia. Não por ser tradição ou ser europeia, mas por um detalhe, lá é inverno, aqui é verão. Assim como o vinho, as cervejas natalinas servem também para esquentar no rigoroso inverno europeu.

 

Aqui em terras tupiniquins, com o verão que geralmente faz, não precisamos de algo para nos esquentar, mas sim para nos refrescar. E é aí que penso em outras cervejas, mais leves, refrescantes e que se encaixam melhor em nosso clima tropical.

 

Como sugestão, de entrada, uma cerveja bem leve e refrescante, como uma Witbier (cerveja de trigo estilo belga) ou uma Munich Helles (cerveja de estilo alemão, semelhante à uma Pilsen, porém mais leve). Quando se começa a ceia, sugiro a nossa tradicional Pilsen, bem gelada (mas por favor, sem congelar a cerveja) para os quitutes iniciais. Na hora da ceia, uma American IPA (India Pale Ale) vai casar bem com pratos mais gordurosos como o Peru ou Tender. Para finalizar, nas sobremesas, uma Brown Ale ou uma Dubbel, caso queira algo mais alcoólico e encorpado.

 

Com certeza sua ceia será bem alegre e refrescante, um pouco diferente do tradicional, porém mais adaptado ao clima tropical.

 

Para o ano novo o espumante é rei, porém existem alternativas tão refrescantes e sofisticadas que farão com que a harmonização da cerveja com o momento seja perfeita.

Aqui irei apresentar duas alternativas ao espumante. Um similar e outro diferente. Comecemos pelo diferente. O diferente é a cerveja Estrella Inedit 750 ml, cerveja do estilo witbier (cerveja de trigo do estilo belga), bem leve e refrescante (4,8% de teor alcoólico). Esta cerveja é uma parceria da cervejaria espanhola Estrella com o cultuado e eleito um dos melhores chefs de cozinha da história, Ferran Adrià, do estrelado restaurante El Bulli. A garrafa em si já chama atenção por ser similar à de um espumante, grande e minimalista. A cerveja mescla maltes de cevada e trigo, aromatizada com lúpulos e especiarias como coentro, casca de laranja e alcaçuz.

A segunda fermentação na garrafa lhe proporciona complexidade aromática, frutada e floral, com notas doces no paladar. A cerveja é bem frisante, podendo ser servida em taças de vinho branco ou de champagne.

 

 

A segunda cerveja que recomendo é a DeuS Brut de Flandres, ou apenas DeuS. Cerveja belga no estilo Bière de Brut, com produção parte na Bélgica e parte na França. Esta cerveja é fermentada com levedura de champagne (possibilita um teor alcoólico mais alto) e passa pelo mesmo processo de fabricação de champagne. Na França a cerveja é colocada em garrafas de champagne e passa pelo mesmo processo do vinho local, ou seja, fica repousando nas caves, para a segunda fermentação. Durante um ano a cerveja passa pelo remuage, processo que consiste em girar diariamente a garrafa para que os sedimentos das leveduras se depositem no gargalo. Ao final, as impurezas são expulsas da garrafa, que é novamente fechada, com rolha definitiva, de cortiça, igual as dos melhores vinhos. Em seguida, retorna à Bélgica, de onde é distribuída pelo mundo afora.

 

A DeuS possui 11,5% de teor alcoólico e deve ser servida em taças de champagne. São produzidas apenas 15 mil unidades desta cerveja a cada ano, tornando assim um objeto de busca por parte dos aficionados. O que pesa contra ela é o precinho, nada camarada, sendo encontrada em média por R$ 250 – R$ 300. Uma alternativa à Deus, mas que segue a mesma linha Bière de Brut são as brasileiras Wals Brut, Eisenhan Lust e Eisenbahn Lust Prestige (esta maturada por 1 ano em uma cave) com preços mais acessíveis e de excelente qualidade.

 

Enfim, estas são as sugestões cervejeiras que podem substituir os tradicionais vinho tinto (no natal) e espumante (ano novo), com a mesma (ou até superior) qualidade e elegância.

 

Dica do dia: Na ceia natalina recomendo iniciar com a Veneno Bella Dona Helles, depois uma Bamberg Camila Camila Pilsen, após uma Motim 18 do Forte American Ipa e por fim Secreta Nut Brown ou Wals Dubbel. No ano novo a Estrella Inedit. E que todas estas cervejas harmonizem com a presença de pessoas especiais e que propicie uma entrada de ano com o pé (ou braço) direito!

 

Saúde e feliz 2017!

 

Artigos Relacionados:

 

 

 

Outros Artigos:

    

 

 

Rafael Pina é sócio proprietário do Serpentina Bar Artesanal, na Freguesia/RJ. É formado Sommelier de Cervejas pelo SENAC / Doemens Akademie, Análise Sensorial de Cervejas pela Academia Barbante de Cervejas / FlavorActiv, Tecnologia Cervejeira Básica pelo SENAI e é Mestre em Estilos pelo Instituto da Cerveja do Brasil.

Please reload

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes : 

August 6, 2018

August 3, 2018

July 18, 2018

July 11, 2018

Please reload

Please reload

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato