Quem me dera


Tão medo, como se algo fosse parar Vão medo, engole pequeno quem se preocupar Vai cedo embora da alma Perdoo o que me devora Me doo ao grande sonhar Não meço, não messias, Imersão apenas Karma sem problemas Dharma e suas parcialidades plenas Esvazia o sentir e deixa navegar Expectativas com o peso nas centenas Afundaram no mar Ninguém diria que as ondas sentem culpa Uma ondina me contou que toda lei é uma idéia E essa brisa fica séria Conforme espaço congruente E companheiros transcendentes Dando a graça na matéria Que tédio de quem quer ser Amélia Num Universo auto consciente Está esperando por ti O que cultivas com a mente

LEIA TAMBÉM

Outros artigos:

- Os cães nunca deixam de amar por Teresa J. Rhyne recomendado por Maria Claudia

- Deus está sorrindo por Susana Savedra

-Individualismo, individualidade e individuação – diferenças que fazem toda a diferença por Yedda Macdonald

Luiza Jantsch

Consultora em permacultura, Luiza é ativista por uma sociedade integrada ao meio ambiente, já que acredita que só assim podemos garantir a qualidade de vida das gerações futuras e promover a ternura no Agora. Realiza projetos voltados pra equanimidade e para os jovens, sempre vinculando práticas de auto conhecimento para melhorar a qualidade da troca entre o micro e o macro cosmos que nos abarca.

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes :