Preconceito, quem nunca sofreu?

20.06.2017

Preconceito, quem nunca sofreu? Que levante a mão!  Somos preconceituosos e nem nos damos conta! Já fui discriminada diversas vezes e tenho certeza que muitas delas a pessoa nem se dava conta que era preconceituosa. 

 

Uma das primeiras vezes que percebi tinha 14 anos e um grupo de americanos se surpreendeu que eu e minhas amigas pudéssemos falar inglês ou que comêssemos carne mais vezes na semana que eles. Impossível, segundo eles estávamos mentindo, afinal de contas vínhamos de um país do terceiro mundo. 

 

De lá para cá posso listar uma série de acontecimentos mas o que mais me chama atenção é o fato das pessoas duvidarem que meu filho é meu filho. 

 

Achar que somente negros são vítimas de preconceito racial é no mínimo uma piada para mim. Tenho cabelos pretos, olhos castanhos escuros e uma pele que no verão passaria por uma bela mulata (mistura de negro com branco)! Meu filho? Loiro que o cabelo chega a ser quase branco no sol e olhos azuis! 

 

Já me perguntaram se a mãe sabia que eu amamentava, onde estava a mãe ou iam chamar a polícia, já me perguntaram se eu era a tutora, em controle de passaporte perdíamos muito tempo se o pai não estivesse. Quando estávamos juntos de alguém mais branquinha, ela era a mãe… nunca eu! A última foi nessa Semana Santa, um casal de alemães tinha certeza que eu era a madrasta, rs. 

 

Apesar de termos passado por diversas situações inusitadas, às vezes até mesmo hilárias depois do acontecido, nunca ninguém me perguntou se eu tinha adotado (não é o caso) ou se tinha sido FIV, de óvulo comprado, etc (o que também não é o caso). Todos já assumem que a mãe não sou eu! 

 

O fato nada corriqueiro de uma pessoa ter um filho mais claro, de estar fora dos padrões ainda surpreende muita gente. Crescemos com valores passados por nossos pais, família e a sociedade que vivemos. Perceber algo fora desse padrão nem sempre é fácil e ainda incomoda muito! Não é a toa que atualmente existe inúmeros movimentos em prol dos homossexuais, negros e etc, pois infelizmente ainda vivemos numa sociedade que o diferente é errado, que o diferente é estranho e mudar esse tipo de paradigma é extremamente complicado. 

 

Vamos abrir nossas mentes, perceber que somos todos diferentes e não iguais como sempre nos disseram! Vamos nos deixar perceber que a beleza da humanidade está nessa diferença, nessa diversidade! Que o fato de uma pessoa gostar de azul enquanto todas as outras gostam de rosa não tem nada de mais!!!

 

Ser branco, negro, vermelho ou amarelo, hétero ou homo, gordo ou magro, baixo ou alto, rico ou pobre não faz ninguém ser melhor que ninguém!!!

 

Leia Mais

Artigos Relacionados:

 

-Divagando por Suely Rosset

-Xadrez na empresa por Renato Carvalho

-Objetificação da mulher e censura por Paulo Buchsbaum

 

 

Outros Artigos:

 

-Dia a dia de uma mãe frenética por Andrea Domingues

-Mioma por Dr. Arthur Bastos

-Gastroenterite aguda por Julia Monassa Fioretti

                                    

Cris Ganime

 

Co-idealizadora do 1olhar.com

Carioca, ex-dentista, ceramista nas horas vagas e  radicada no Sul da Espanha. Já morou em Montreal, Canadá e na Antuérpia, Belgica.

Apaixonada por viagens e fotografia.

facebook.com/crisganime

Please reload

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes : 

August 6, 2018

August 3, 2018

July 18, 2018

July 11, 2018

Please reload

Please reload

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato