Audiência Pública sobre Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro

02.08.2017

Essa semana fui à Audiência Pública sobre Segurança Pública, organizada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro - MPRJ. Fui, mais uma vez, com o intuito de aprender. Mas fiquei bastante decepcionado. Não tiro o mérito do MP, por ter organizado o evento. A existência do evento já merece congratulações. Mas na prática tira-se muito pouco.

 

Eu era praticamente um dos únicos que não estavam lá para defender uma bandeira. A plateia era composta basicamente por Policiais Militares e membros das associações ligadas às favelas. Cada pessoa que discursava era aplaudida por metade dos presentes, era nítida a polarização.

 

Essa polarização não é exclusividade deste evento. Temos visto nos últimos anos isso crescendo de forma abissal no nosso país. Políticos alimentam o embate como forma de se promoverem e se manterem no poder.

 

Estes políticos, que sobrevivem politicamente graças a essa polarização, não querem o fim da violência. Não quererem o fim da desigualdade social. Não quererem o fim do racismo ou da misoginia. Eles alimentam o discurso de ódio entre rico e pobre, branco e negro, homossexuais e heterossexuais. E foi esse o clima que vi hoje na audiência.

 

Esperava uma união de forças contra o crime. Esperava uma troca de ideias para acabar ou mitigar a violência no Rio. Temos que saber separar a instituição do indivíduo. A polícia é necessária, o policial corrupto merece ser punido. O morador da favela é um cidadão como qualquer outro, o traficante tem que ser punido.

 

Ao longo de toda audiência só ouvi uma única ideia concreta, o Colégio da Polícia Militar em Niterói (https://pmerj.rj.gov.br/colegio-da-policia-militar-do-esta…/). Que do pouco que ouvi e li me parece um belo projeto.

 

Ouvi também o Deputado Estadual Marcelo Freixo criticando a presença dos militares no Rio. Eu também acho um absurdo! É um absurdo chegarmos a esse ponto, de precisar de uma "intervenção" militar em nossa cidade. Mas visto a situação que nos encontramos, estou muito feliz que os militares tenham chegado. Isso não resolverá nosso problema crônico, mas aliviará nossa dor imediata.

 

 

 

 

 

LEIA MAIS

Outros Artigos:

As dificuldades de empreender no Brasil por Paulo Ganime

-  Gestão (?) pública por Paulo Ganime

-  Estatais: Elefantes Sedentários? por Paulo Buchsbaum

 O fantasma de Augusto Comte ainda assombra o Brasil por Bruno Rosi

-  Governos não sabem gerir mudanças por Paulo Ganime

 Manifesto para acabar com a sacanagem no Brasil!!! por André Ferraz

 

Paulo Ganime

Participante do Processo Seletivo do Novo com o objetivo de ser candidato a Deputado Federal pelo Rio de Janeiro em 2018. Paulo é Carioca, 34 anos, apaixonado pela cidade do Rio de Janeiro e pelo Brasil. Ele tem 14 anos de experiência nas áreas financeira e de gestão de projetos em empresas multinacionais. Morou 5 anos na França e EUA, gerenciando equipes na Europa, Ásia e Américas. Paulo é formado em Engenharia de Produção pelo CEFET-RJ, estudou Economia na UERJ e fez um MBA na PUC-RIO, além de ter certificação PMP (em Gestão de Projetos).

 

facebook.com/pauloganime

novo.org.br/processoseletivo/paulo-ganime/

linkedin.com/in/paulo-gustavo-ganime

 

Please reload

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes : 

August 6, 2018

August 3, 2018

July 18, 2018

July 11, 2018

Please reload

Please reload

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato