Meia idade

07.08.2017

 

Queria ter a energia das crianças

Que as dez horas ainda brincam no quintal

Mas meu corpo anda sem forças, tão cansado,

Desejando o descanso, enfadado.

 

Quem dera ter sabedoria dos mais velhos

Que tranquilos vão seguindo o seu curso

Ao contrário, ainda bem precipitada

Me atropelo em meu ser, atordoada.

 

Queria ter a paciência das mães jovens

Seus rebentos embalando e afagando

Seus conselhos transmitindo,  tão suave

Sua doce voz ao filho acalmando.

 

Já não sou tão paciente e nem tão sábia

Esquisita essa tal de meia idade

A gente já não é vivaz, já dorme a toa

E se irrita com a mínima bobagem.

LEIA TAMBÉM

Outros artigos:

 

- Os cães nunca deixam de amar por Teresa J. Rhyne recomendado por Maria Claudia

 

- Deus está sorrindo por Susana Savedra

 

-Individualismo, individualidade e individuação – diferenças que fazem toda a diferença por Yedda Macdonald 

Claudia Lundgren

 

45 anos, mora na cidade de Teresópolis, é Pedagoga, trabalha há 11 como Educadora Infantil, e cursa Pós Graduação em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

 

Please reload

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes : 

August 6, 2018

August 3, 2018

July 18, 2018

July 11, 2018

Please reload

Please reload

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato