A Pressão - SÉRIE REHLUM

30.08.2017

As mulheres se acostumam com a pressão que os homens impõem à elas. Uma pressão advinda de uma herança de séculos e que até hoje só muda na aparência. Ou seja, só mudou a parte superficial da história ao longo de décadas. Se (considero “se” aqui como algo imprescindível aos acontecimentos) - uma mulher sai com um homem e não entra em seu carro, ele faz de tudo para que ela mude de atitude. Declara que não há confiança da parte dela. Ou que é uma atrasada no tempo se da parte da mesma há demasiada preocupação.

 

Agindo desse modo, o homem só confirma que não respeita a decisão de uma mulher, seja ela qual for. Pois se em uma situação semelhante a mulher muda de ideia e é violentada sexualmente, verbalmente e/ou psicologicamente isso sempre será usado contra ela como se a vítima houvesse permitido tal estupro.

 

O argumento mais comum do homem “não faria nada que você não quisesse” já implica na interpretação de um ato sexual. Mesmo que ela não tenha dito algo parecido. Além do que, é contraditório, porque, não necessitariam exclamar isso se não houvesse pressão alguma por parte deles.

 

 

Antigamente, o machismo encontrava-se literalmente vigente, visto que em estudos históricos e sociológicos a mulher participava apenas indiretamente da vida social. Desde a Grécia Clássica e Antiga vista como um ser para procriar e por vezes excluída de cultos, passando pela Europa das chamadas bruxas até o Século XX em que ser dona de casa era uma ambição feminina (imposta e não natural) e houve época que a mulher que dirigisse não era “direita”. Com o advento da sociedade, suas transformações ocorridas também por mulheres revolucionárias, que pagaram preços altíssimos por assim o serem, sempre rejeitadas pela sociedade, não se cansavam de reivindicar seus direitos - o machismo - por uma questão essencialmente política como na atualidade porque os homens detém o poder até hoje, se manifesta através de códigos, de maneira implícita.
 

Preste atenção!


"Eu hoje represento a cigarra
Que ainda vai cantar
Nesse formigueiro quem tem ouvidos
Vai poder escutar
Meu grito!"

 

Luz del Fuego - Rita Lee

 

 

 

LEIA TAMBÉM

- Na contramão da nudez robótica por Susy Savedra

 

- Tolerância, reflexão e questionamento em tempos politicamente corretos por Yedda Macdonald

 

- Nós mulheres: as grandes Deusas por Sol Medeiros

 

- O radicalismo num mundo binário por Paulo Gustavo Ganime

 

- O Brasil precisa de um arrastão moral por Suely Rosset

 

- Análise do livro "O Amante Japonês" de Isabel Allende recomendado por Maria Claudia

 

 

Susana Savedra

 

É poeta, arte educadora, atriz, modelo vivo e estudante de letras. Integra duas coletâneas, "Lar" e "Baseado na estrada". Para conhecer melhor seu trabalho acesse sua página no Facebook e seus blogs:

Facebook: CurtaPoesiaVidaLonga

www.joaninhasusana.zip.net

www.cafeconpochoclos.blogspot.com.br

 

Please reload

 SIGA-NOS AQUI TAMBÉM 
  • Facebook B&W
  • Twitter B&W
  • Instagram B&W
 os mais RECENTes : 

August 6, 2018

August 3, 2018

July 18, 2018

July 11, 2018

Please reload

Please reload

Copyright © 1Olhar 2017

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

O 1 Olhar é uma plataforma colaborativa com mais de 50 colunistas compartilhando o olhar, a opinião de pessoas normais sobre os acontecimentos que nos cercam.

Quer colaborar? Entre em contato