Brasil: Estado bandido


Confesso que, no alto dos meus 56 anos, nunca vivi uma época em que a bandidagem do estado brasileiro fosse tão explícita.

Praticamente nasci sob o signo da Ditadura (1964-1985), onde, especialmente a partir de 1968, os podres eram sufocados no seu nascedouro não alcançando a mídia. Fora a repressão e a censura, vivíamos sob o quase reconfortante manto do silêncio.

Depois veio o governo José Sarney em 1985, filhote da Ditadura. A inflação grassava, herança da irresponsabilidade estranhamente Keynesiana dos últimos anos da Ditadura. Todos sabiam que rolava de tudo, mas não havia nada, nem de longe, tão explícito como nos dias de hoje. Havia pelo menos uma compostura mínima.